beleza   / Mitos e verdades

Chip da beleza: Médico tira principais dúvidas sobre o implante hormonal, usado como tratamento de beleza

Segundo o profissional, os efeitos colaterais dependem do que será utilizado no implante e a dose aplicada

Manequim Publicado quarta 30 junho, 2021

Segundo o profissional, os efeitos colaterais dependem do que será utilizado no implante e a dose aplicada
Chip da beleza: Médico tira principais dúvidas sobre o implante hormonal, usado como tratamento de beleza - Divulgação / Aldo Grisi

Conseguir se ver livre dos incômodos da menstruação, como cólicas e TPM, é o desejo de muitas mulheres!

Imagine se isso vier acompanhado de outras vantagens, como emagrecimento e combate à celulite? 

Este pacote de vantagens está popularizando o "chip da beleza", um implante hormonal subcutâneo que teoricamente atua como contraceptivo, mas está sendo usado para fins estéticos em diversas clínicas.

“É uma via mais recente de administração para usar medicação. Ou seja, podemos usar comprimido, injeção, gel… e implante hormonal. O diferencial é que o paciente tem uma liberação de medicação lenta, gradual, contínua, prolongada e programada”, apontou o médico Aldo Grisi. 

+++ Twin set: a tendência dos anos 30 que voltou com tudo no outono de 2021

+++ Pijama e estilo combinam? Sim! Estilista cria coleção elegante e confortável de 'roupas para ficar em casa

Dentre as substâncias que podem conter no chip, estão a gestrinona, que causa efeitos como o emagrecimento. 

“De fato, pode favorecer a perda de gordura e ganho de massa muscular. Seu uso é recomendado para homens e mulheres, de qualquer idade, a depender da necessidade clínica e laboratorial de cada um”, afirmou. Mas o profissional ressaltou que o método deve ser escolhido com cuidado.

“O chip queima gordura, ajuda na hipertrofia, elimina celulite, alivia a tensão pré-menstrual (TPM) e a cólica…Várias coisas bacanas! Mas não podemos esquecer que é uma medicação e, como tal, precisa ser usada com responsabilidade, após exames clínicos e laboratoriais”, alertou.

Abaixo, Aldo elencou mitos e verdades sobre o implante, tirando as dúvidas mais comuns sobre o tema. Confira!

 O implante é produzido individualmente para cada caso: VERDADE

“Cada indivíduo tem uma necessidade e um objetivo. Por isso, devemos individualizar cada organismo para que tenhamos a maior chance de sucesso”, explicou.

Além disso, a manutenção também varia de tratamento para tratamento. “Existem implantes hormonais de 6, 12, 18 e 36 meses. Cada tipo e durabilidade para uma condição específica. Inicialmente, sugiro um acompanhamento mensal para ajustes e, depois, realizar consultas mais espaçadas.”, disse.

 O implante reduz a celulite: VERDADE

O médico pontuou que o tratamento atenua o aspecto ondulado da celulite. “Ele atua diminuindo a gordura, aumentando a massa muscular, bem como modulação do estrogênio, o que ajuda na diminuição da celulite”, explicou.

 O chip faz emagrecer: VERDADE

“O sobrepeso e obesidade são condições multifatoriais, mas hoje temos mecanismos e implantes que reduzem a ansiedade e busca pelo alimento, bem como estimulam o metabolismo, auxiliando na perda de peso quando associado à dieta e atividade física”, descreveu.

O implante faz o corpo ganhar massa magra: VERDADE

A depender das substâncias utilizadas como testosterona e gestrinona, estimula o crescimento de massa muscular. 

Outro mecanismo é que, ao suspender a pílula anticoncepcional, os hormônios ficam mais “livres” para trabalhar no aumento da massa muscular.

O chip alivia problemas de saúde: VERDADE    

O médico contou que o método combate alguns problemas. 

“Serve para fins estéticos, mas também ameniza os sintomas da menstruação, diminuição de libido, cólicas, menopausa, osteopenia, ansiedade, dores no corpo, entre outros”, listou.

 O implante apresenta efeitos colaterais: VERDADE

“Como toda e qualquer medicação, os efeitos colaterais são reais. Mas estes efeitos não são do ‘implante hormonal’, e sim, de algumas substâncias e das doses que podem ser usadas”, destacou. 

“Ao usar altas doses de testosterona, por exemplo, pode haver acne, aumento de oleosidade, de pelo. Desta maneira, fazemos um tratamento personalizado, com doses específicas para reduzir o risco de esses efeitos surgirem” , completou.

O chip faz o cabelo cair: DEPENDE

Segundo o profissional, os efeitos colaterais dependem do que será utilizado no implante e a dose aplicada.

“Se não utilizarmos substâncias chamadas de ‘androgênicas’ como testosterona, não haverá queda de cabelo. E caso haja alguns destes efeitos, temos mecanismos para revertê-los”, acrescentou.

O implante possui contraindicação: VERDADE

“O método é contraindicado em pacientes que estão em tratamento oncológico. Casos de trombose e histórico de câncer na família devem ser avaliados individualmente”, finalizou.

Último acesso: 27 Jul 2021 - 09:12:34 (1044667).