moda   / Dificuldades

Pathy Dejesus diz ter se sentido usada no mundo da moda e desabafa: 'Quando precisavam de uma negra, me colocavam lá'

A atriz falou sobre as dificuldades que enfrentou como modelo durante os anos 2000

Manequim Publicado quarta 2 setembro, 2020

A atriz falou sobre as dificuldades que enfrentou como modelo durante os anos 2000
A atriz relatou como se sentia no universo da moda nos primeiros anos de carreira - Instagram/ @pathydejesus

Pathy Dejesus fez um desabafo sincero sobre sua carreira de modelo no início dos anos 2000 e chamou a atenção ao relatar como se sentiu no mundo da moda durante os primeiros anos na profissão de top model. 

A atriz de 43 anos contou em entrevista à Revista Marie Claire que teve dificuldades nos primeiros anos como modelo e usou o termo "Token" para relatar como se sentia diante das agências. 

A palavra faz referência a um conceito social de utilização da imagem de minorias representativas para fazer alusão a diversidade em organizações, no entanto, de maneira superficial apenas para demonstrar preocupação com a inserção de minorias quando convém.

+ VEJA TAMBÉM: Jovem que vendia peixe na praia é descoberta por olheiro e vira top model cotada por agentes internacionais

"Acho que fui muito usada no mundo da moda. Se precisava de uma negra, colocavam a Pathy lá. Na época, eu não percebia. Mas tinha algumas sensações. Sabia que tinha que batalhar muito mais do que as minhas colegas não negras", disse ela. 

Ela ainda relembrou que alguns profissionais não estavam preparados para produzir ela, justamente por conta da escassez  de modelos negras no mundo da moda na época: "Falta de produtos, de interesse, de pesquisa sobre a pele, o cabelo da mulher negra. Não tinha demanda. Naquela época, era compreensível porque o material era caro, importado. Quando tinha, era um coringa que precisava servir para todos os tons de pessoas negras – e isso não existe. Nos meus primeiros trabalhos como modelo, sempre apareço cinza. Se não fosse o Wilson Eliodorio, o Max Weber, depois o Alê de Souza, era muito provável que eu ficasse cinza". 

Hoje, ela acredita que o caminho está mais aberto para mulheres negras no mundo da moda e que por isso as modelos são mais unidas e menos competitivas: "As possibilidades de trabalho eram muito menores e sempre tinha lugar para uma só. Hoje é diferente. As modelos negras são superunidas e acho isso o máximo". 
 

Último acesso: 08 Dec 2021 - 10:12:08 (1043217).